Páginas

16 de set de 2014

Fangirl - Rainbow Rowell


"Cath é fã da série de livros Simon Snow. Ok. Todo mundo é fã de Simon Snow, mas para Cath, ser fã é sua vida – e ela é realmente boa nisso. Vive lendo e relendo a série; está sempre antenada aos fóruns; escreve uma fanfic de sucesso; e até se veste igual aos personagens na estreia de cada filme.!"

Terminei de ler Fangirl da Rainbow Rowell há alguns minutos e corri pra cá escrever, por medo de perder os sentimentos que estão em mim agora, caso eu deixasse passar muito tempo. Esse foi um livro super doce de se ler, divertido em alguns momentos, mas muito pessoal também. E acho que, pela sinopse, outras pessoas também vão se identificar com essa leitura. 

Cath é uma fã. Ela participa de um fandom, escreve fanfics, espera em filas a meia-noite pra comprar a primeira edição de um livro, tem ships, camisetas sobre sua série favorita e defende com unhas e dentes as suas paixões literárias. O mundo de Cather é o mundo do seu fandom, e nada a deixa mais feliz do que entrar nas histórias e viver lá ao invés de enfrentar a realidade (oi? conhecem alguém assim?). Cath também passou por um grande drama na infância e teve que lidar com uma carga emocional muito pesada o que ajudou (ou provocou) nela esse tipo de comportamento e a fez desenvolver esse amor incondicional pela série de livros do Simon Snow, ao ponto de sua vida ser apenas isso.

Mas as coisas começam a mudar quando Cath entra na faculdade e precisa encarar todo um mundo novo e pessoas DE VERDADE ao seu redor o dia todo, exigindo que ela saia de sua zona de conforto e passe a interagir com a humanidade. Apesar de  estar na companhia da irmã gêmea, Wren, Cath se sente cada vez mais um peixe fora d'água e tudo piora quando a irmã se afasta dela para viver a "vida de faculdade", regada a festas, bebidas e namorados. Com problemas familiares e acadêmicos nas costas, Cath vê cada vez mais sentido no seu mundo de faz de contas, de magos, dragões, Simon e Baz (que na sua fanfic, são loucamente apaixonados!). Cath nunca beijou, não consegue fazer contato visual por muito tempo, tem fobia de multidões, come barrinhas protéicas pra não ter que enfrentar um refeitório cheio (ou perguntar onde fica o refeitório!), prefere atravessar o campus a pé sozinha a noite do que pedir ajuda, além de não conseguir - e não querer- se aproximar de colegas a menos que ela seja obrigada. 
"Eu não confio em ninguém. Em ninguém. E quanto mais eu me importo com alguém, maior a certeza de que eles vão se cansar de mim e ir embora."
Bom, eu AMEI Fangil por uma série de motivos...


Primeiramente porque... eu sou uma Cath (e sei que muitas pessoas que estão lendo esta resenha também são!). EU ME VI NESSE LIVRO!. Eu vivo essa vida de fandom e muitas vezes - quase sempre - ela me faz muito mais feliz do que a realidade. Eu me refugio nos livros e nas fanfics por tempo indeterminado  porque lá o mundo é mais lindo, MUITO MAIS LINDO. Choro por ship, participo de grupo de discussão, passo horas pensando naquilo, favorito milhares de fanarts e me afasto de tudo e todos quando a paixão é muito grande. Depois, amei o livro também porque a Rainbow abordou de forma muito sensível e bonita a questão da fobia social que muitos de nós temos e como isso pode nos afetar. Através de Cath, a autora nos mostra aos pouquinhos que isso pode ser contornado sem que você abandone seus amores fictícios. Cath tem imensas alegrias com a sua série do Simon Snow e com a sua fanfic, mas ela também acaba tendo diversas dificuldades por causa da personalidade antissocial.


Enquanto eu lia, me identifiquei horrores com muitas passagens, nas partes felizes e nas partes tristes, inclusive. A questão de se esconder do mundo, se transformar numa bolinha, se trancar no quarto, com o computador no colo, vivendo apenas para a ficção de Cath é tipo : HEY QUEM ESCREVEU SOBRE A MINHA VIDA?!? (a sua vida, a nossa vida colega).

Acho que Rainbow foi muito feliz nesse livro. Ele é bem mais denso que Eleanor & Park, e mais tocante também. Tem partes super cômicas, diálogos fofíssimos (e verdadeiros), além de várias referências literárias que, quem for bem viciadinho e rato de fandom, vai sacar rapidinho! Ah, e tem o Levi, o garoto querido que vai aos pouquinhos entrando na vida de Cath e contornando todas as fobias dela *amor amor demaaaais*. Rainbow também não está nos dizendo que viver dessa forma é certo ou errado, mas sim que, de vez em quando, olhar pra vida real também nos traz boas surpresas. Ou como diria nosso sábio Dumbledore: "Não vale a pena viver sonhando, e se esquecer de viver".

É isso aí. 

Resumindo: amei demais e tô aqui ansiosa e desejosa de que Rainbow nunca mais pare de escrever nessa vida, porque  os livros dela são a maior lindeza do Universo. São tocantes, verdadeiros e sempre mexem com alguma coisinha dentro da gente.

Recomendadíssimo!

Título: Fangirl
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Páginas: 424