Páginas

22 de jul de 2010

Maratona de Banca: Julho- Nora Roberts


Amor Nunca é Demais- Nora Roberts

(The MacGregor Grooms, Nova Cultural, 1998)


O rico e poderoso Daniel MacGregor descobre as mulheres perfeitas para seus três netos. D.C., Duncan e Ian são, assim, apresentados das formas mais criativas a Layna Drake, Cat Ferrell e Naomi Brightstone.
Agora, eles e suas futuras noivas precisam apenas ser convencidos de que estão diante dos amores de suas vidas. Mas este é um trabalho para o destino... e para o coração.


Quando eu digo que Nora Roberts é a melhor romancista dos últimos tempos fico um pouco receosa de estar sendo exagerada. Mas, quando volto a ler suas histórias, fico feliz de pensar isso e reafirmo seu talento.
A Saga dos McGregor é mais uma típica e apaixonante 'história Nora': personagens bem construídos, muito bem humorada e emocionante. Sabe aquelas que te deixam feliz enquanto lê? Bem assim, bem Nora.
As peripécias dos McGregor se estendem por nove livros e contam as traquinagens do patriarca do clã, Daniel McGregor, que não descansará até não ter todos os seu filhos e netos casados com pessoas de boa índole e capazes de lhe darem lindos bebês. Não há empecilhos que desviem McGregor de juntar diversos casais e vê-los formando grandes famílias (bebês, muitos bebês, esse é o maior desejo de Daniel. Obviamente ele não admite isso).
Nesse livro o patriarca dá um empurrãozinho em seus três jovens netos D.C., Duncan e Ian para que arranjem boas moças e povoem o castelo da família.
A primeira história gira em torno do belo D.C, e a frágil Layla e foi, na minha opinião, a mais fraquinha. Não pela história, mas por Layla que encarna o tipo de personagem que eu não gosto: muito rica, muito bonita, muito frágil e muito doce. Um saco, em resumo.
Em seguida, Nora traz o sexy- e muito- Duncan e a espirituosa Cat Ferrell. O casal é uma delícia de se ler e me fez rir muito. Cat é do tipo cabreira que enfrenta tudo de cabeça erguida e Duncan sabe exatamente como lidar com sua personalidade geniosa.
E por último, a autora fecha a história com Ian e Noami. Disparado foi meu casal favorito do livro. Noami é uma ex-gordinha, tímida e insegura que arrebata o coração do jovem advogado. Ian, perplexo, não entende porque a mulher escultural a sua frente ruboriza com simples elogios. Noami tem reações tão engraçadas que eu desejei que o livro fosse um pouquinho mais longo só para poder acompanhá-los por mais tempo.
A série toda é ótima e engraçada. Quando chegamos no último livro, a gente sente aquele aperto no peito de saudades de toda a enorme familia McGregor que tanto nos prendeu à suas vidas.

Resumindo: é Nora. Simples e perfeitamente Nora Roberts. Sempre recomendo.


Gostei: Os homens Nora..*suspiro*
Não gostei: Layla-sem-gracinha...

19 de jul de 2010

Letra que morde

Tá chovendo lá fora.
Muito.
E frio, cada vez mais. Nada fora do comum por ser a Serra.
E eu aqui, na mesa, sem nada pra fazer- nem o resto do escritório- fui mordida pelo bichinho do livro. Sabe como é, há um livro do seu lado e você precisa ler. De forma desesperada. Seus dedos coçam, os olhos ficam se desviando para a capa, você lê e relê o nome do autor e do título, vez ou outra cede à tentação e quando ninguém esta olhando- muito menos sua chefe- pega o dito cuja e sente. Contracapa, orelhas, e talvez... lê a primeira linha.
Ops, tem alguém olhando. Lá vai ele pro canto da mesa.
Tão bonito... ai se eu pudesse largar tudo agora, às 16 horas da tarde eu largava e seríamos só nós dois. Eu e esse livro bonito que me mordeu.
Mordida que coça. Quem lê já foi vítima. Muitas, muitas vezes.
É é sempre tão bom!

E ele continua me olhando. Acho que vou pegar na mão mais uma vez. E talvez ler mais uma linha...
hm. A gente bem sabe que uma linha só, nunca satisfaz.


*o livro que me mordeu hoje foi A Carícia do Vento, Janet Dailey. E você, foi mordido hoje?*