Páginas

8 de fev de 2008

listando

  1. Alessandra Forte
  2. Ju Marconato
  3. Saida
  4. Lila
  5. Sonia

Cinco bailarinas que eu gosto muito. Sem comparar estilos, ou se são boas, ruins e o escambau. Só bailarinas que volta e meia eu confiro o trabalho. E não me arrependo. Falta uma argentina ali. Sahrdana, Sardhana, eu nunca lembro como se escreve o nome da bendita. Mas ela é ótima. Seria a 6°

7 de fev de 2008

Horóscopo Egípcio


Porque todo mundo adora esse tipo de coisa =p


BASTET (16/01 até 15/02)
Bastet era a deusa com cabeça de gato que protegia a dança, a música, os livros e os demais prazeres humanos. Os aquarianos, da mesma forma, amam a natureza, as belas artes, a literatura e a liberdade.
Os nativos de Bastet são justos, prudentes, inteligentes, estudiosos, de natureza filosófica, humanitários e, principalmente, de idéias muito avançadas.

TAURERET (16/02 até 15/03)
Taueret é a deusa-hipopótamo que protegia os nascimentos nesta e na vida além-túmulo. Taueret é como o signo de Peixes, o último do zodíaco, que cobra um renascimento espiritual de todos.
Os nascidos sob a proteção da deusa Taueret possuem uma premonição e uma espiritualidade muito grande, são idealistas, emotivos, sentimentais, impressionáveis e, às vezes, metódicos e perfeccionistas.

SEKHMET (16/03 até 15/04)
Sekhmet era a terrível deusa egípcia da guerra e das batalhas. Áries possui Marte como planeta regente, o deus da guerra romano.
Os nativos de Sekhmet possuem muita energia mental, são ambiciosos, desejam progredir e são felizes somente após realizarem a sua vontade.

PTAH (16/04 até 15/05)
Ptah era o deus da antiga capital do Egito, Mênfis, considerado o protetor dos artesões (trabalhadores). As palavras "trabalho e sobrevivência" resumem a vida de um taurino.
Os nascidos sob a regência de Ptah são reservados, práticos, obstinados, persistentes e amantes da luta pela sobrevivência.

THOTH (16/05 até 15/06)
Thoth era o deus da escrita e da sabedoria; era conhecido também como Hermes Trimegistro. Para os gregos, era Mercúrio, o planeta regente de Gêmeos.
Os nativos de Thoth necessitam comunicar-se e, para eles, a ligação entre as pessoas e idéias é de suma importância. Representam a vivacidade, a versatilidade e a mutabilidade. São inquietos e com uma ânsia muito grande em aprender e conhecer.

ÍSIS (16/06 até 15/07)
Ísis, a grande mãe, está associada ao simbolismo da Lua (regente do signo de Câncer).
Os nascidos sob a regência de Ísis são perseverantes, reservados, sensitivos, com boa memória e dotados de energia. Possuem um humor variável e muito dependente do ambiente sendo, por isso, em determinados momentos, inconstantes, indecisos e vacilantes.

RÁ (16/07 até 15/08)
Rá é o Deus-Sol do Egito, o mesmo Sol que rege o signo de Leão.
Rá luta para ser o centro das atenções, podendo ser arrogante, teimoso e déspota. Ele sabe que nasceu para liderar, contudo, precisa cuidar do egocentrismo e do orgulho que podem eclipsar um pouco o seu sol pessoal tornando-o daí um rei sem súditos e solitário, o que seria dramático para Rá.

NEITH (16/08 até 15/09)
Neith era a deusa da Caça protetora de Sais (também era conhecida como a deusa do Céu). Assim como o caçador que reparte sua caça com o grupo a qual pertence, o signo de Virgem também necessita dividir e servir o próximo.
Os filhos de Neith nasceram para assistir o líder mas, dificilmente, para serem o próprio líder. Não suportam pressões e preferem se adaptar às circunstâncias; numa posição mais subordinada, esses nativos tem mais condições de ajudar, disciplinar, ordenar e consertar uma situação.

MAAT (16/09 até 15/10)
Maat era a deusa da Justiça e da Verdade, ligada ao equilíbrio (Libra) necessário para a convivência pacífica entre todos os seres. Maat rege o primeiro signo social do zodíaco egípcio.
São pessoas amáveis, sociáveis, amam as artes e as coisas belas da vida e conseguem julgar sem os excessos das paixões. Os filhos de Maat menos evoluídos apreciam a futilidade das conveniências sociais e os prazeres de orgias e badalações. Os mais evoluídos, interessam-se mais pelo lado espiritual da vida e a relação de equilíbrio e beleza existente na natureza.

OSÍRIS (16/10 até 15/11)
Osíris é o deus que preside o grande Tribunal dos Mortos, aquele que decide a sorte das almas: a destruição pelo monstro Ammit ou o renascimento numa nova encarnação. Escorpião é regido por Plutão, o deus grego do inferno, aquele que comando o sub-mundo: morte, destruição, transformação e renascimento são a tônica desse signo.
Existem três tipos de Osíris (ver lenda de Osíris): Osíris Vivo: é um ser evoluído, interessado pelo lado espiritual da vida e está acima de seus problemas, não sendo afetado por nada; Osíris Morto: é um ser de baixa evolução, dominado pelo vício, mediocridade, rancores e espírito de vingança. Apresenta interesse pela magia negra e, nessas condições, pode tornar-se o pior e o mais perigoso perfil zodiacal; Osíris Renascido: é o nativo de alta evolução que conseguiu ultrapassar a barreira da morte e entra num novo mundo renascido, pleno de seus poderes
espirituais.

HATHOR (16/11 até 15/12)
Hathor é a deusa da alegria, do amor e dos prazeres (junto com Nut e Neith forma a trindade das deusas do Céu).
Os nascidos nesse período são cheios de esperanças, alegres, joviais, empreendedores, perseverantes e ambiciosos. Gostam da liberdade e possuem inclinação para a Filosofia e as Ciências. \o/


ANÚBIS (16/12 até 15/01)
Anúbis era filho de Osíris e dominava o mundo dos mortos, conduzindo a alma dos defuntos até o Tribunal de Osíris (que decidia ou não pelo novo renascimento da alma). No hemisfério norte é inverno e toda a natureza esta em compasso de espera pelo novo renascimento que ocorrerá na primavera. Saturno, o Senhor da Morte e do Carma, rege Capricórnio.
Os filhos de Anúbis gostam de regras sociais rígidas e do poder e da posição social que isso acarreta. O trabalho é visto como algo importante e, através dele, os regidos por esse signo deixam suas marcas no mundo. Essa marca pessoal na sociedade é crucial para o nativo de Anúbis pois, inconscientemente, ele sente que será julgado pelo que edificou de bom ou de ruim nessa vida (quem sabe, uma reminiscência do Tribunal de Osíris).
Os nascidos neste período devem encarar a vida com mais despreocupação pois ela não se resume apenas ao trabalho; deixe desabrochar seu lado infantil de vez em quando; você se sentirá muito melhor.
Adotei um gatinho.
Ele é lindo.
Vira-latinha, cinza com branco, todo pequeninho com olhos tristes...
Estou apaixonada!

4 de fev de 2008

No Media...

  • She's Like the Wind- Patrick Swayze
  • It Must Have Been Love- Roxette
  • I Do It For You- Brian Adams
  • Listen To Your Heart- Roxette
  • Milk and Toast and Honey- Roxette
  • Like a Prayer- Madonna
  • Zombie- The Cranberries
  • Who are You- The Who
  • Spending My Time- Roxette

Tô tão retrô hoje...

Milk And Toast And Honey


'Milk and toast and honey make it sunny on a rainy Saturday, he-he-hey
Milk and toast, some coffee take the stuffiness out of days you hate, you really hate
Slow morning news pass me by
I try not to analyze but didn't he blow my mind this time
Didn't he blow my mind'

Eu sempre fui a menina das torradas, do leite e do mel. Esquisito isso.
Quando as pessoas pedem: 'imagine-se em uma cena reconfortante, que te encha de paz', eu logo penso em milk, toast and honey, ou algo do gênero.
Sabe.
Essa cena feliz seria mais ou menos eu sentada num peitoril de janela bem largo, assim de cabelo amarrado, de manhã, com um sol não muito quente, uma brisa bem leve, algumas nuvens. A janela é alta, do tipo colonial. A casa é antiga. Igual a casa de O Jardim Secreto, com um gramado longo e algumas árvores grandes. Estou com uma perna dobrada e a outra balançando dentro do aposento. Eu tenho uma xícara de chá nas mãos, ou café. Mas acho que o chá combina mais com a brisa. As torradas e o leite eu já provei um tempo antes e o cheiro delas ainda está espalhado pelo ar.
E eu estou olhando para o gramado comprido. Sentindo o sol não muito quente na pele.
A xícara está morna, e eu a seguro com as duas mãos.
Eu uso suéter. Porque suéter sempre combina com uma cena assim.
E eu fico a manha toda ali...

E talvez Milk And Toast And Honey esteja tocando em algum quarto muito distante...
Talvez eu chore um pouquinho...
Mas só um pouquinho. Porque logo o chá vai acabar e eu vou precisar descer da janela para pegar mais...





3 de fev de 2008

A bengala-ceifa-tudo


Pergunta:
O que acontece quando se treina Saidi em um aposento de teto baixo?

Resposta ( bem óbvia):
Você quebra a lâmpada.
Carai eu sou muito azarada. Ainda mais com um acessório grande como uma bengala de Saidi. É lindo eu sei. Dançar Saidi é uma das coisas que mais gosto de aprender e adoro treinar. Mas também é um bocado difícil quando seu pulso esquerdo teima em não virar para trás nem que você faça macumba- não que eu tenha feito, claro.
O direito vai que é uma beleza. Parece uma ceifadeira (gente que comparação grosseira rsrsrsrsr, mas tipo, o direito vai rápido mesmo, até espanta!). Já o pulso esquerdo trava e quebra lâmpadas.
E destrói folhagens.
E tudo mais que estiver no raio de uns dois metros.
Muito triste.
Nessas horas eu quero voltar correndo pro snuj, que é pequeninho, bonitinho e não destrói metade da minha casa sempre que eu treino. Mas no fim das contas, sempre volto para a bengala e vou treinar com a mão direita mesmo. Afinal lâmpadas a gente compra né não? E habilidade na dança infelismente não vem pronta em caixinhas. ( e se vier fuja é roubada!)
Então, bora para o pulso esquerdo agora ao som de Luxor Baladna.
Sem lâmpada no teto. Claro.